"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

segunda-feira, dezembro 13, 2004

Selma e a Magia das Palavras


Hoje, talvez porque nao há sol, insisto em falar nas asas da criatividade,na ternura que nos pode aliviar em tempo de solidão e desatino. Lembrei-me de Selma Lagerlof, da companhia que me fez com a sua"A maravilhosa viagem de Nils Holgerson através da Suécia", livro comprado em alfarrabista, que se perdeu em mãos pouco amigas. Emprestar livros ou discos é sempre este desgosto, de ficar sem uma parte do património encantador que alimentou o nosso crescimento, quando aqueles a quem emprestamos se descuidam meses, anos, uma vida, do cumprimento de uma qualidade básica que caracteriza a amizade- o respeito pelos pertences do outro, que podem e devem ser partilhados, mas nunca usurpados.Tudo isto a propósito de um livro que me marcou pela beleza, pela riqueza de imagens, pela escrita envolvente, pela palpitação da fantasia, tão susceptível de ser tocada, tão credível...Selma Lagerlof nasceu em 1854. Em 1909 foi-lhe atribuído o Nobel da Literatura e no meu coração de menino deslumbrado com os criadores de sonhos, ganhou um lugar que ainda hoje, mesmo sem o livro amado, se mantém luminoso.Recomendo àqueles que gostam de presentear os amigos com a magia das palavras.(foto de Vanda Oliveira)  Posted by Hello

5 comentários:

Guida Alves disse...

Ai as coincidências!... A Sónia fala nisso ontem, e eu vou á boleia e pranto lá o meu comentário...:))

augustoM disse...

Também não gosto de emprestar livros, gosto demasiado deles para correr o risco de os perder. Quanto ao livro não comento porque não conheço.
Um abraço. Augusto

Águas de Março disse...

Bem... eu sempre fui de opinião que os livros são para ser lidos, para circular entre amigos e conhecidos que desejam realmente lê-los, e só me lembro de ter perdido um. Mas irrita-me extraordináriamente que me devolvam os livros com marcas de terem sido dobrados ou com os cantos em mau estado. Aí, zango-me!!
Também a seu tempo li o Nils Holgerson, e outras hitórias. Presentemente tenho a sorte de poder lê-los na língua original, e afianço-lhe que são uma delícia..
Abraço,
Ana Maria

Aromas Do Mar disse...

Gostei de me passear nestas águas do sul carregadas de grande sensibilidade..., voltarei!
Um beijo da Mar Revolto

stillforty disse...

Olá Luis
Difícil de comentar, a porcaria do comentário não abre, leva que tempos.
Pois perdi muitos livros, discos por causa dos empréstimos, até filmes vê bem! Agora não empresto, só a dois ou três amigos mais carenciados, e mesmo assim faço uma listinha.
O livro de que falas de Selma Lagerlof, não li e desconheço.
Beijos