"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

segunda-feira, março 21, 2005

Jerba


Mergulharás na ânfora
de luz da tarde com
um gato tonto de sol
aos pés e a prata
das oliveiras no olhar

depois, um rebanho
deslizará na poeira
dos caminhos e o coração
partirá para o mar.

(poema escrito na ilha de Jerba, Tunísia, em 1994. O texto está na página 12 do livro "Os Pastores do Sol", que teve edições de autor nas 1ª, 3 e 4ª versões. A 2ª edição foi em 1996, da responsabilidade da Escola Profissional do Fundão, que me levou a Poitiers para o apresentar na Rue des Trois Rois, em Maio, por ocasião da Fête du Monde... O livro viajou várias vezes até à Tunísia, entre 1995, ano da 1ª edição e 2004. O jornal "La Presse" referiu-se a ele de forma muito elogiosa.
No mês passado Ana Maria Walter Rasmussen, querida companheira de sonhos, autora do profundo e vital "Águas de Março", http://aguasdemarco.blogspot.com um blogue de categoria, idealizado e partilhado desde a Dinamarca, falou do livro, publicou poemas, emocionou-me e permitiu que a minha poesia fosse conhecida por mais pessoas. Um grande beijinho de saudade, pois há algum tempo que não bebemos da sua prosa inspirada de fonte, que transforma o quotidiano em mágico espelho de emoções...
A fotografia, de minha autoria, retrata o momento inspirador destes versos. O rebanho que desliza na poeira dos caminhos é este. Andei semanas à procura desta imagem. Encontrei-a ontem no meio de papelada relacionada com aldrabas...nem sei como ali foi parar! Mas o importante é que depois de ter passado este Dia Mundial da Poesia a tentar inserir a foto no blogue, finalmente consigo partilhar connvosco a memória de um tempo feliz. Saravá!) Posted by Hello

7 comentários:

Sur Prise disse...

Luís

Levei-te a Jerba no meu pensamento.... Voltaremos lá um dia dentro dessa ânfora de luz para percorrer-mos esses caminhos sonhados que a nossa sede procura, ou a voragem do tempo engolirá esse nosso sonho?
Beijo doce

augustoM disse...

Não é preciso esperar o Dia Mundial da Poesia para ler os teus poemas, é sempre um prazer fazê-lo.
Também penso que é uma pena a Ana Maria andar tão atarefada.
Um abraço. Augusto

ismael disse...

Quando voltamos lá?

poetando disse...

Este poema traz-me á lembrança uma viagem muito bonita que fiz...(algum tempo atrás)
Lembra-me também outras noites, essas mais proximas, em que selecionava poemas para o lançamento do teu livro, e este também o selecionara!...

corpo visível disse...

Gosto de corações assim, que partem para o mar.
:)

Águas de Março disse...

Tá bom, tá bom, já estou quase voltando, embora depois interrompa de novo... vou até aí abaixo!!!
Depois aviso, quando for.
Um abraco!
Ana Maria

maria disse...

Coincidências estranhas porque elas não existem...
a minha filha neste momento está a voar direitinha a Jerba::)) e leva a incumbência costumeira... trazer-me um pedacinho de areia de lá, e do Sahara também. É a minha colecção maluca... areias::))
Adoro a tua poesia e gostava que postasse o meu ultimo post... o blog está parado por problemas técnicos.
O que apeteceu, depois de ter lido o teu poema e ter visto a foto de voar com a minha filha ::))
xi
maria