"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

terça-feira, fevereiro 08, 2005

Bolos da Dona Rosa


Não resisto e agora mesmo publico outro texto do Mané, aqui na fotografia tirada em 1988, com a Ana.
Este texto é de uma beleza, de uma ternura que me impressiona. Confiram!
"Aborrecia sempre a minha mãe, de tanto a fazer esperar, tal era a dificuldade de escolha. O dinheiro era pouco, mas os cremes e recheios eram muitos, dos bolos que enchiam a bancada da Dona Rosa, montada sempre muito cedo num canto visível da passagem para a padeira, não prejudicando o negócio desta, ela conseguia melhorar a reforma e talvez mesmo a vida dos seus. Sentada numa caixa de fruta, sempre bem agasalhada, nunca cheguei bem a perceber os tons escuros da sua roupa, mas a sua alegria era ver uma criança lamber os lábios, com uns olhos indecisos, para o qual despertava toda a sua atenção, talvez, retribuíndo assim a sua satisfação, Dona Rosa, mostrava orgulhosa a bancada montada sobre caixas de plásticos e dizia: - Então menino, este, ou o maior? Ela referia-se a um cone, com um fio de ovos e um creme branco por dentro. Adivinhava o meu pedido pelos olhos, decifrava o paladar pelo rosado das bochechas e o apetite pela carteira da minha mãe. Comi quase sempre o mesmo, pois ficava deliciado com as cores e de boca aberta, por vezes só escolhia quando vinha do pão, tal era, a difícil escolha das cores que decoravam uma praça cinzenta, onde àquelas horas só ela fazia negócio, sendo muito cedo para haver movimento, que desse outra alegria ao canto de uma praça, que certamente já não tem a Dona Rosa para dar um acordar tão doce como então…"
Manuel José Graça da Silva, 04/02/05 Posted by Hello

2 comentários:

Sur Prise disse...

Como poderei algum dia não ter tido cabelos brancos... não fossem as fotos da época e não acreditava.... afinal o tempo deixa marcas, mas também deixa uma coisa bela que os mais novos só vão sentir um dia (se forem capazes)... esta ternura doce que só nós os "cotas" sabemos sentir... este saborear recordações com cheiros mistos de 'alecrim e alfazema' ... que bom é ter-mos chegado a este patamar cheios de sonhos reais repletos deste sentimento tão suave e bonito...

beaquele beijinho especial

augustoM disse...

Como eu compreendo o Mané. Julgava-me o rei dos gulosos. Bolos de todas as cores, formatos e feitios, não discuto, marcham todos
Um abraço. Augusto