"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

quarta-feira, agosto 26, 2009

AGOSTO, MAIS AO MENOS...



MAIS
Já enviei para os professores do meu segundo mestrado, todos os trabalhos das cadeiras do segundo semestre, já leccionadas (duas de opções obrigatórias mais uma extra-curricular), faltando uma opção, cujas aulas - ainda do segundo semestre - só se efectuarão em Setembro...
MENOS
Nunca mais vou responder a quem me deixa num longo e amargo silêncio. Há pessoas que só reagem quando as esquecemos. Aprendi a lição.
LFM

4 comentários:

mariabesuga disse...

Isso é que é trabalho apresentado, Luís!!!...
Quem dera ter essa capacidade!...

Se te arrelias assim com silêncios de alguém é porque é alguém a quem dás importância. Mais tarde ou mais cedo quebrar-se-á... o silêncio. Pode ser que te valha a pena.
Claro que de fora fala-se na base da subjectividade...

Jingã

Pedro disse...

ola...
Já era de esperar o mais... agora é começar a pensar no DOUTORAMENTO!
Sim... tens capacidade pra tal.

Qnt ao menos... o silencio muitas vezes fala mais que uma multidão!

abraço

elvira carvalho disse...

Trabalho feito não dá cuidado é menos uma preocupação.
"Nunca mais vou responder a quem me deixa num silêncio amargo"
Só ficamos assim quando nos magoam. E não nos magoa quem quer, só nos magoa aqueles que estimamos. Os outros são como os cães que ladram quando a caravana passa.
Um abraço e tudo de bom

jose filipe rodrigues disse...

Os marinheiros da espiritualidade
ultrapassam os oceanos e as montanhas,
de todos os continentes e regiões,
para a conversão dos incrédulos com alegria,
não com os dogmas da política ou das religiões.
Seguros, prosseguem os seus caminhos
sem recearem o silêncio e o isolamento.
Muitas vezes sós, nunca sozinhos,
continuam sempre, na direcção do firmamento.
Nos momentos estagnados e de indefinição,
com certezas e dúvidas, continuam a olhar
o céu e, sem hesitarem, prosseguem a sua missão,
sem bússulas ou sextantes mecânicos,
guiados pela estrêla polar
ou qualquer outra constelação
da noite, a cintilar.
JFR