"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

domingo, março 25, 2007

Vila Viçosa: Os Painéis de Azulejos da Estação do Comboio








Há meses que desejava conhecer Vila Viçosa, porém, o cansaço por um lado e o facto do expresso demorar, na ida e volta de um dia só, seis horas (e o horário ser: partida de Lisboa às 8 e 30, chegada às 11 e 20, com último regresso às 16h) não me estimularam a ir antes.
Amigos levaram-me hoje até àquela jóia do património do Alentejo Central.
Chegámos pouco depois das onze (saímos perto das nove) e partimos às 17 e 40 tendo chegado às 19 e 15h. Pelo meio, um dia com sol e nuvens, sem os calores alentejanos, mas com migas, lombinhos, arroz de marisco, vinho de Borba, um pão fantástico e muitas histórias.
Manuel Maria é um excelente cicerone de Vila Viçosa. Percorremos com ele uma parte da terra, escutando o seu rol impressionante de memórias, onde a realeza de outrora protagoniza as narrativas. Uma Biblioteca viva, este homem que viveu em Moçambique e no Amazonas.
Fui para ver as portas de Vila Viçosa, regressei com uma lembrança ímpar de uma tarde mágica.
As imagens que partilho, documentam a beleza dos painéis, de azulejos, da antiga estação de comboios, transformada em Museu do Azulejo. Segundo este informante, o próprio Rei D. Carlos, artista exímio, supervisionou a qualidade destes painéis.
Obrigado, senhor Manuel Maria, D. Mariana e Manuel Silva!
Luís F. Maçarico

2 comentários:

Manuel Themudo Sobral disse...

Ainda bem que ficaste a conhecer Vila Viçosa. Achamos piada à hora em que "parimos".
Esta língua portuguesa prega cada partida.
Um abraço e até Évora.
M.S.B.

Fernando Manuel Oliveira Pinto disse...

Uma estação é um local de partida, de chegada... Gostei muito dos azulejos clássicos que nos deste a contemplar, amigo Luís!

Abraço,
FMOP