"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

quinta-feira, março 08, 2007

Velhos Poemas


Tenho aproveitado o meu "retiro espiritual" para arrumar ideias e alguma da muita desarrumação da casa onde morei sempre...
Três caixas de plástico transparente, daquelas que se compram nas lojas chinesas, repletas de versos foi a ocupação do dia de hoje...
Deitei muito papel fora, enquanto encontrava poemas adormecidos, que o tempo parece não ter envelhecido...
Partilho com todos os que habitualmente visitam este espaço. E deixo tradução em francês para que os amigos tunisinos possam, também eles, ler esta minha velha poesia.

De certos dias guardo violetas
de outros apenas a dolorosa
ausência das gaivotas...
1984


De certains jours je garde des violettes
d'autres, rien que la douloureuse
absence des mouettes...
1984


Conhecer
é ficar magoado.
30-9-1984

Connaître
c'est devenir blessé.
30-9-1984

Poemas e fotos de LFM

3 comentários:

Mané disse...

Hoje passei por aqui, como das outras vezes, para te sentir e ouvir, mas agora apeteceu-me dar-te um grande abraço, no desejo que recuperes e que foltes com muita força.

Mané disse...

Hoje passei por aqui, como das outras vezes, para te sentir e ouvir, mas agora apeteceu-me dar-te um grande abraço, no desejo que recuperes e que voltes com muita força.

girassol disse...

Não tem que ser a ausência, ou não necessáriamente, mágoa. Pode ser a ausência tempo de construção... Depois da mágoa, os dias de luz que, espero e desejo, agarres, recuperes, no perfume das violetas e outras flores, no voo das gaivotas...

Beijo p Ti
"Gingã"