"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

sexta-feira, maio 19, 2006

O Vómito do Futebol


É estranho que, quando falo com amigos, adeptos de futebol, eles mostrem desconhecer quem é Scolari. Proponho um pequeno exercício...Façam a experiência: escrevam no motor de busca sem aspas: Scolari+Pinochet e vejam o que aparece...
Nesta pesquisa quis confirmar o que já sabia há alguns anos, fruto da leitura atenta dos jornais, para mostrar aos que me lêem algo que me envergonha como português e cidadão do Mundo. Há poucos minutos descobri que jornais ingleses e franceses também falaram disso e não resisto a partilhar excertos de um texto, extraído de um blogue, que me chamou a atenção precisamente por causa da abordagem deste assunto:

"Portugal é o galo de Barcelos, já sabemos. É Fátima, no ar em simultâneo em quantos canais houver. Também é o Campo Pequeno, remodelado e mostrado às massas, de Norte a Sul, na certeza de que a tourada é tão portuguesa como se pretende que o fado seja. Portugal é o país que ouve e vê, em directos na abertura dos noticiários, um cidadão peçonhento a anunciar vinte e três cavalheiros que vão à Alemanha jogar à bola, com apelos ao patriotismo feitos em grande solenidade, como se na presumível selecção nacional de futebol residisse o segredo da retoma, emocional ou económica.

Luís Felipe Scolari é, para mim, um zero. Desde a primeira hora.(...)Nunca poderia ter consideração por um sujeito que, publicamente, apontou Augusto Pinochet como modelo.

Scolari é um seleccionador de olhos fechados aos critérios técnicos e à valia desportiva. Seleccionou em tempos, como ele gostará de dizer, uma espécie de família ou grupo de amigos, convocados sempre, haja o que houver, joguem ou não joguem nos clubes que representam, estejam ou não em forma. São aqueles quem segue viagem, ele é que sabe, quem não vai fica de fora e a palavra injustiça nada lhe diz. Seguisse ele o exemplo de Pinochet e todos os que o criticam desapareceriam, como talvez desaparecessem os jogadores que as massas ignaras gostariam de ver convocados. Seria mais fácil, (...) poríamos a bandeira nas janelas e pediríamos autógrafos ao treinador de todos nós. De todos, sem excepção, porque tem tempo, nos intervalos de aprontar os craques, para doutrinar o furor patriótico nestas terras onde, suporá, tal coisa nunca antes existira.

Scolari é vaidoso e bem pago. É pedante e cultiva a pose de estado como se fosse mais do que um treinador de futebol. Evidentemente que lhe perguntaram por Ricardo Quaresma, mas, como Portugal é um país onde não faltam brandos jornalistas, todos acham normal que se recuse a responder, argumentando só falar dos atletas que convocou.

(...) Scolari é menos do que julga, mas veio parar a um país onde o fazem assim julgar. Triste espectáculo, este, mas bem inserido na onda de optimismo que o marketing tem vindo a injectar na turba, de tal forma que deve haver uma cada vez maior quantidade de portugueses e portuguesas convencidos de que Portugal é o favorito no Campeonato do Mundo. (...)Foi neste país de pastorinhos que a medíocre equipa da Grécia se sagrou campeã da Europa, não conseguindo, depois, qualificar-se para o Mundial da Alemanha.(...)

Scolari é, enfim, aquilo que as circunstâncias proporcionam. De barriga cheia e bem cheia, e a encher mais os alforges a cada dia que passa, sabe ter a postura que impressiona os descamisados, gostaria ele de ser Evita para cintilar entre jóias. Cultivando aquela imagem falsa de seriedade, promete maravilhas (...) cria na distante perspectiva do sucesso a redenção de um povo cada vez mais asfixiado. Cresceu o número de peregrinos em Fátima, joga-se cada vez mais no Euromilhões. É em países assim que Scolari brilha. Sul-americano que é, sabe-o melhor que todos nós.

Fonte:http://fontedasvirtudes.blogspot.com

(foto de LFM)

9 comentários:

Mané disse...

Nunca gostei dele, nem nunca poderei gostar. Se realmente conseguir-mos ser campeões, não e graças a Scolari, mas sim aos jogadores como foi o Brasil com ele.
Tem a mania das perseguições, como que,cada pergunta tivesse uma ratueira, dificultando a escolha amigavel dos atletas, embora 80% deles, eu também escolheria.
Não tenho nada contra certos grandes treinadores estrangeiros que andam por ai, mas havia medidas que eu nunca aceitaria nas selecções.
1º Jogadores só nacionais e não nacionalizados, independentemente da sua gigantesca qualidade ( Deco e outros Africanos)
2º Treinadores, só Portuguêses.
3º Patrocinadores, também só nacionais.
Evitaria assim de :
Na Polonia existir jogadores Africanos;
Na França, idem;
Na Alemanha, Turcos;
No Japão, Brasileiros;
Fico por aqui, para os poderosos do Futebol(negociantes) não me chatiarem com mensagens estranhas...
Até breve e abraços.

Mendes Ferreira disse...

o scolari quem é????? é aquele "senhor" que ganha uma fortuna a treinar outros que tb ganham fortunas????


ah bem.... detesto.


belo post.

beijo. meu doce.

plenitude disse...

Nunca gostei do homem!não foi ele que foi Campeão do Mundo, foram os jogadores brasileiros que são uns craques com a bola... Mas o portuguesinho esperto, quando ele foi corrido tendo ganho o Título foi logo procurá-lo, dando-lhe o Ouro de Portugal em troca para que nós fizesse Campões! Mas o homem não sabe como isso se faz... Nunca me enganou com os sorrisos na publicidade, a apelar ao nosso nacionalismo!Mas há muito quem goste de viver enganado!
Eu já nem quero falar do meu ídolo Baía, que o homem afastou por temer a liderança de fraternidade e educação, nem do número do jogadores convocados do FCP - Campeão na Liga e na Taça. Deixem-no Reinar por uns dias... como déspota que é, chegará o juízo Final, ou antes dele a Guilhotina... Em contraponto, e por muitas razões, parabéns ao Deco!

ligia disse...

Sou brasileira ,apaixonada por Portugal,e viajando pela net cheguei no seu blog,juntamente com o Vômito do Futebol!.
Questiono essa exaltação de patriotismo em torno do futebol.Cria-se um cenário de mágicas,onde os problemas atuais não existem.~Corrupções,CPIsS sem punição,crimes avançando,desigualdades sociais,contra isso tudo que o povo tem que aflorar seu patriotismo.
COpa do MUndo,reunião dos povos em torno de um esporte,mas que servisse também para uma luta de um mundo melhor.
Que os jogadores e os politicos fizessem pelo amor,pelo gostar e não pelas cifras.
Ligia

al cardoso disse...

Nao poderia estar mais de acordo.
Espero que muito me engane, mas provavelmente esta "nossa" passagem pelo "Mundial" vai deixar com a excepcao de 1966, um triste amargo de boca.
Mas quem sabe eu e o amigo, ate estaremos errados.
E como os portugueses acrediatm tanto em milagres, Deus queira que me engane.

Mané disse...

Nunca gostei dele, nem nunca poderei gostar. Se realmente conseguir-mos ser campeões, não e graças a Scolari, mas sim aos jogadores como foi o Brasil com ele.
Tem a mania das perseguições, como que, cada pergunta tivesse uma ratoeira, dificultando a escolha amigável dos atletas, embora 80% deles, eu também escolheria.
Não tenho nada contra certos grandes treinadores estrangeiros que andam por ai, mas havia medidas que eu nunca aceitaria nas selecções.
1º Jogadores só nacionais e não nacionalizados, independentemente da sua gigantesca qualidade (DECO e outros Africanos)
2º Treinadores, só Portugueses.
3º Patrocinadores, também só nacionais.
Evitaria assim de:
Na Polónia existir jogadores Africanos;
Na França, idem;
Na Alemanha, Turcos;
No Japão, Brasileiros;
Fico por aqui, para os poderosos do Futebol(negociantes) não me chatiarem com mensagens estranhas...
Até breve e abraços.

lost disse...

Não gosto do Scolari. Ponto. Não gosto de pessoas mal educadas, mal formadas, autoritárias e com tiques de ditador. O texto espelha bem o que penso dele. Nem tenho mais nada a crescentar.

Jinhos gandes para ti.

Pete disse...

Graças a esse senhor e à desestabilização que criou nos sub-21, o Euro 2006 práticamente já foi de barco, agora vamos ver no mundial.

Um Abraço,

Pedro Gonçalves.

LFM disse...

Não teria dito melhor.