"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

sábado, abril 23, 2005

Pandora


Não tenho animais em casa, ao contrário do que me aconteceu em criança e adolescente, quando o Bobby guardava a nossa pobreza.
Há dias tive o prazer de rever a Pandora, uma gatinha simpática (parece que só para alguns), que me presenteou com lambidelas e calmos ron-rons...
O lanche que a dona me ofereceu estava, como costumo dizer, "uma déli", e a suavidade da Pandora marcou a tarde, com um bem-estar, que me apeteceu recordar aqui. Há casas e animais com boa "aura".
Estes misteriosos seres que nos acompanham, discretos, no quotidiano, celebrados por pintores e poetas. Associo-me a outros blogues homenageando esta presença: O Guga da Ana, por exemplo, a Diva da Teresa, a gataria da Guida, os canitos da Vanda, os felinos do Jorge, a Pandora da Cláudia. Pelo bem que fazem aos donos, saúde para todos!
(fotografia de Pedro Mira) Posted by Hello

3 comentários:

Mendes Ferreira disse...

E a Nina do João Maria....!bjs.

Mendes Ferreira disse...

ola poeta de todos os desertos.aindabem que gostou da ficção...bjo.

LUA DE LOBOS disse...

Olá gata linda
que belos e misteriosos olhos ::))
Tenho que ir à Tunisia ... definitivamente!!
Porque lá também há gatos....
xi
maria