"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

terça-feira, agosto 02, 2011

Comigo não se safam!


Na passada sexta feira, uma simpática rapariga telefonou-me, perguntando se eu era o mesmo indivíduo, que há uns anos atrás, dera uma entrevista a um matutino, contando a estória de vida, se aquilo de ter sido varredor de ruas e agora ser antropólogo, era verídico...
Confirmei e perguntei ao que vinha aquela agradável voz...
Que determinado programa da tarde, de uma televisão, me queria entrevistar, pois eu subira a pulso, que era exemplo e mais não sei quê, foi a justificação que escutei...
Qualquer papalvo que goste de aparecer na TV agradeceria um telefonema destes, considerando-o uma dádiva dos céus.
Pois eu fiquei repugnado e respondi que não me sentia modelo para ninguém, pois considero que quem decidiu trilhar caminhos negativos, não muda e muito menos quero expor-me à cáfila que aplaude e chora com a vida dos desgraçadinhos, como se trincasse um frango de caril ou umas favas à portuguesa, babando as barbelas suadas com a gordura da gula.
Minha senhora, eu estou muito desencantado com os portugueses, retorqui.
Com os políticos!? pensou ela corrigir.
Não, eu disse e repito: com os portugueses! Os políticos são o retrato da mediocridade, da inveja, dos sonhos mesquinhos, daqueles que votam neles e fazem as escolhas que temos de aturar. Mas depois há a metade que não vota e prefere ir para a praia... Os portugueses desiludem-me, não quero partilhar nada com eles.
E a moça voltou à carga:
Pense bem e segunda feira telefone-me para dizer a sua decisão.
Não telefonei.
O meu desencanto não é de fim de semana, mas de uma vida, que tenho enfrentado, pagando pela cretinice (ou apatia) do imenso curral de bois mansos e voyeurs.
E por isso não vou ao tal programa da tarde, nem a qualquer outro, deixar que devassem uma vida de dificuldades, não lhes dou esse prazer de, em directo, me esquartejarem e chorarem cifrões, com as desventuras da minha caminhada, ou exultarem - sempre em forma de cifrão - com as minhas pequenas vitórias, pois à custa dos desgraçadinhos, cachets mais altos se levantam!
Não! Comigo não se safam!
Luís Filipe Maçarico (texto e fotografia)

4 comentários:

Anónimo disse...

Plenamente de acordo contigo.
Eles adoram esgravatar as histórias de vida das pessoas, mas como sabes também existem pessoas que adoram ser esgravatadas, mas ... "contigo não safam!"

aquele beijo
Ana

elvira carvalho disse...

Como já falámos sobre o assunto deste post, deixo apenas um abraço de grande amizade e o desejo de que se encontre bem de saúde.

Mar Arável disse...

Abraço amigo

Paula Silva disse...

Grande Luis, sempre coerente... Há poucos HOMENS assim... com esta coragem,sem deslumbramentos, mas com muita lucidez e pensamento próprio, crítico, aguçado, sábio.
Aquele ABRAÇO... Um Beijoooooo