"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

quinta-feira, outubro 30, 2008

Tertúlia Poética nos "Combatentes" com "Gardunha:silêncios de granito" e "Cadernos de Areia"






Ontem, nos "Combatentes" a sala esteve cheia, para assistir ao lançamento de dois livros. De Paula Cristina Lucas da Silva ouviram-se poemas pela própria e por Rosa Dias e Maria Eugénia Gomes. De Luís Filipe Maçarico, foram ditos poemas em árabe, por Tiago Bensetil e versos antigos do autor pelos actores Álvaro Pereira e Nádia Nogueira.
Actuou ainda um trio (Filipe, Sofia e Rita) da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez, constituído por jovens que apresentaram em concertina algumas melodias do Minho.
Esteve presente o presidente da Junta de Freguesia dos Prazeres e vários dirigentes de colectividades de Lisboa, além da antropóloga Ana Machado, que apresentou os "Cadernos de Areia".
Os poetas e a colectividade estão de parabéns, por numa noite fria terem tido casa lotada.

4 comentários:

girassol disse...

Frio, seguramente, Luís, foi sensação não sentida...
Poesia, Camaradagem, Amor, Poesia, Amizade, Calor, Poesia, Vida, sentidos, Poesia... Porque a poesia se mistura, faz parte integrante do que és e passas para quem contigo partilha a vida nos dias.

Feliz por TI.
Jingã.
Belmi.

Fernando Pinto disse...

Deve ter sido um dia muito lindo para ti, amigo Luís! Parabéns por comemorares mais uma primavera desta forma tão tua: com poesia, com calor humano...

Abraço e tudo de bom para ti!

marialascas disse...

Leio uma noite magnífica.
E estou ansiosa por conhecer "Os cadernos de areia".

maria sousa disse...

Porque as tuas coisas, amigo só acontecem em Lisboa?
Perdi um dia lindo, mas espero recuperar a poesia dos "Cadernos de Areia.
Um grande abraço.