"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

segunda-feira, outubro 27, 2008

"Bateu Asas e Voou"


Acabado de chegar de Silves, onde participei, durante vários dias, no 6º Encontro de Arqueologia do Algarve, cuja temática este ano era "O Garb no al-Andalus: sínteses e perspectivas de estudo", tive a felicidade de devolver uma borboleta de jardim, - amarela, linda, que desde terça-feira à noite se aninhara na minha casa, - ao ar da praça onde vivo, há quase 56 anos.
Não sei como sobreviveu, desde terça a domingo, mas a verdade é que a libertei do escuro e da luz artificial e fiquei satisfeito de a ver bater asas e voar, rumo ao seu destino!
Como se fosse o "Meu Coração Ateu", para citar uma canção de Maria Betânia, que gosto muito de ouvir...
Luís Filipe Maçarico

1 comentário:

girassol disse...

Sorte a dessa borboleta ter entrado, precisamente, em teus aposentos, poeta. Teu coração lhe devolveu a Liberdade... Assim é o teu... Livre!... para abraçar todas as palavras e delas nos dares poemas, de TI.
Jingã