"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

terça-feira, novembro 01, 2005

Tarde de Chuva em Havana



Há cerca de sete anos visitei Cuba.
"Quando são vinte e quatro horas em Portugal, aterramos em Havana (...) Ficámos surpreendidos com a riqueza arquitectónica da cidade, logo à chegada..." (caderno de viagem, 28 de Novembro de 1998)
Dois dias depois de ter chegado, a poesia irrompia:

"Na tarde tropical
Escancaradas varandas
mostram corpos caribenhos
contemplando a chuva compassada
que se confunde
com a cadência dum canto.
A cidade é então um viveiro
de espanto."

Luís Filipe Maçarico, Havana, 30-11-1998
Imagens: C.Otis Sweezey e web.usf.edu/iac/studyabroad/cuba

5 comentários:

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
augustoM disse...

Não conheço Cuba, mas pelos filmes e fotografias, dá para preceber que é uma relíquia colonial emparedade pelos americanos.
Um abraço. Augusto

stillforty disse...

Hey! Hombre!

Guapissimo tu texto, sorry! não era isto que queria dizer...

Nunca fui a Havana, gostava imenso de ter ido.

A cidade sem carros, ou então os carros iguais ao Dodge do meu tio Artur, de quando era pequena e me levava à ópera.

O teu o regresso da Teresa vai dar ao Dançomania, mas a Teresa já regressou à Outra Face

Beijos

Clau disse...

Aqui só entre nós, adorava ir a Cuba enquanto o Fidel ainda reina ;-)
Besos

adib disse...

CUBa cérida

c'est mon plus beau voyage!