"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Regresso à Clandestinidade


Saboreamos ainda numas baiúcas secretas comidinhas de antanho - hoje foi bacalhau com grão - vinhoca de boa cepa, bagacito de truz! Mas não partilharei, recuso-me a divulgar onde foi essa reunião gastronómica.
Convidaram-me para uma matança de porco. Clandestinamente aviso os amigos, também desafiados a participar, mas não anunciarei em que lugar e quando será esse reviver de uma tradição ancestral em terras que porventura seriam visitadas para punição implacável dos semi-deuses socráticos que se julgam donos da verdade, se eu metesse a boca no trombone.
Em nome da lei, da autoridade, da higiene, eles andam por aí . Depois do fumo, das colheres de pau e das bolas de berlim, há-de vir a taxa para gordos e o tratamento obrigatório para emagrecer.
Por estas e por outras é que decidi o regresso à clandestinidade. É mais seguro, para preservar a parte ainda não devassada da minha intimidade.

2 comentários:

Alexandre Pirata disse...

Bom Dia caro Luís,

Um melhor ano de 2008, mesmo com todas as adversidades do Socratismo!
Eu percebo a tua/nossa necessidade de termos de voltar á clandestinidade, é este o mundo de "democracia" amordaçada em que este capitalismo selvagem cada vez mais nos mergulha. A matança do porco, uma tradição ancestral simbolo da ruralidade dos povos, muito mais que um gesto de preparar mantimento, é um momento de convívio e reunião das famílias e dos amigos do mais puro e genuíno que há, é isso que se está a perder.
Recentemente festejei com a minha esposa 25 anos de uma vida partilhada, aconteceu em Veneza, como podes testemunhar no meu Blog, tenho uma colecção interessante de Click´s de aldrabas, daquelas paragens que quero oferecer á Associação "Aldraba", Vou enviar por Mail.
Um grande Abraço. Alexandre Pirata

João.Costa Pereira disse...

oh Luis
Eu passo-me completamente com estas alarvices "europeístas"(?) das restrições às coisas boas que temos.
Apetece-me escrever aqui uma coisa...mas o grande respeito e Amizade que tenho por ti impedem-me de o fazer
Come e bebe Amigo enquanto os esbirros não nos meterem todos na masmorra...
um grande abraço
João