"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

sexta-feira, setembro 12, 2008

Lembra-te sempre deste pequeno pormenor, antes de aplaudires...


Partilho com os leitores deste blogue, a mensagem que acabei de enviar a um jovem, que me endereçou imagens onde o extermínio de indivíduos supostamente assaltantes é festejada e banalizada, exibindo-se os corpos dos bandidos destruídos...

"Recebi um mail teu, que me permito comentar, porque discordo da reacção emocional demonstrada, defendendo o abate de todo e qualquer meliante, como por vezes sucede na América Latina, o que permite os maiores desvairos e não resolve, a meu ver, o cerne da questão. Senão, vejamos:

Porque razão o Governo não actua convenientemente, colocando mais polícias na rua?

Porque razão as chefias da polícia não proporcionam a estes profissionais condições para actuarem?

Porque razão, se tiveres problemas de ruído, motivado por discotecas improvisadas na rua, com mil pessoas a fazerem barulho, a prejudicarem às 3 da manhã o trânsito, estacionando de qualquer maneira, bêbados, tudo isto em cima de áreas residenciais, porque razão os polícias querem que vás com eles à porta dos prevaricadores, se não, não actuam?

Matam-se os jovens barulhentos que durante meses impedem os moradores de dormir entre as 0 e as 5 da manhã, nos fins de semana (incluindo quinta, sexta e sábado)?

porque razão se houver um despejo de uma colectividade, como sucedeu com o Grémio Lisbonense, ou se trabalhadores com salário em atraso ou duma empresa que fecha sem avisar, os polícias actuam, batendo nesses cidadãos que se manifestam em prol de direitos constitucionais?

Matam-se os manifestantes? Matam-se os polícias?

Se houvesse policiamento eficaz, preventivo, certamente que a criminalidade e todos os excessos não achavam este país um oásis...

Nunca na minha vida apoiei o terrorismo, o banditismo, a desordem, tudo o que põe em causa a vida de inocentes.

Tive conhecimento que um rapaz do qual não tinha notícias há anos estava a contas com a justiça, no estrangeiro, o que me entristeceu profundamente. Escrevi-lhe, respondendo ao apelo dele, que se sentia completamente abandonado à sua sorte e dei-lhe ânimo naquele período complicado da sua vida. Após ter regressado a Portugal, passou a ganhar a vida honestamente. Deveria ter sido morto?

De onde vem esta gente? Do teu meio social ou do meu, que apesar de tudo não se reportam a berços dourados? Tiveram mãe, pai, famílias a apoiar? Quantos deles não foram criados em instituições, como a Casa Pia, abandonados pela família da Curraleira, ou despojados de qualquer âncora?

Vamos eliminar todos os alunos da Casa Pia e resolvem-se os problemas?

Paulo Pedroso afinal (diz um acórdão de tribunal competente) não teve culpa.
Deveria ter sido morto, na praça pública, quando o juíz Rui Teixeira o incriminou, pelos vistos sem provas concludentes, baseando-se em indícios débeis?

Jovem, atenção! Não te precipites!
Podes ser vítima da atitude que preconizas...imagina que te confundem com um assaltante e te matam, se matar puder ser como preconizas, a grande medida purificadora do Mal? Não seria a primeira vez...

E com isto, não estou a admitir qualquer simpatia pelos brasileiros, portugueses, romenos (ou outros) que andam por aí, sem qualquer ocupação cívica, digna, fazendo merda!

Só quero lembrar que temos de ser coerentes com o que defendemos, em certos momentos da vida, nomeadamente quando participamos em listas políticas, concorrendo a cargos públicos.

Cidadania e democracia (mesmo com todos os defeitos do sistema - e não são poucos, como sabemos) ainda é preferível à selvajaria e à barbárie.

Nunca estarei do lado dos poderosos, magnatas e bancos, que em cada ano que passa sobem escandalosamente os lucros, enchendo-se mais e mais, mantendo nos governos os seus capatazes, negando-nos um ordenado que nos permita pagar as necessidades básicas. Criando-nos cada vez mais dificuldades.

Como é possível que seja exigido a um reformado com meia dúzia de euros, que deposite a sua magra reforma na Caixa Geral de Depósitos, que depois lhe cobra taxas de manutenção da conta? Isto não é repugnante?

Podes pensar que tudo o que escrevi nada tem a ver com o mail que me fizeste chegar, mas eu digo-te que tem tudo a ver. A violência gera violência.

Tens ainda uma vida à tua frente e desconheces os constrangimentos que nos esperam a todos, se isto piorar... Lembra-te sempre deste pequeno pormenor, antes de aplaudires a mortandade de bandidos pela "eficaz" e temível polícia brasileira...

Confundir as coisas e não exigir a quem de direito uma actuação preventiva, é no fundo ajudar a abrir as portas a ditaduras disfarçadas e nesse jogo eu não entro.

Quando a tolerância deixar de existir como valor, por causa dos inimigos da liberdade e daqueles que não actuam por inércia, ou incompetência política, a liberdade terá morrido. E eu amo a liberdade."

LFM (texto e foto)

2 comentários:

girassol disse...

"(...)
Quando a tolerância deixar de existir como valor, por causa dos inimigos da liberdade e daqueles que não actuam por inércia, ou incompetência política, a liberdade terá morrido. E eu amo a liberdade."

Subscrevo, Luís.
Assino em baixo.

maria sousa disse...

Amor, Liberdade, Beleza, Cidadania, Democracia, etc., são valores difíceis de aprender.
Numa sociedade que se quer egoísta e solitária a Violência aprende-se num instante.
Um abraço amigo