"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

domingo, maio 27, 2007

Mértola em Maio




O verde de há pouco é já secura
a terra deseja chuva e o poema
a cintilação de uma estrela
em cada sílaba.

Escrito em Moreanes, 18-5-2007; 2h 30m

Apontamento poético e fotográfico de Luís Filipe Maçarico

3 comentários:

J.C.Pereira disse...

Amigo
Primeiro que tudo um GRANDE abraço
Depois ,estas fotos são fantásticas.
Mértola , que não conheço,está no meu
roteiro de sonhos. Quero lá ir.É um siti imperdivel.

maria augusta disse...

Olá amigo!
Perdi o festival, mas estarei em Mértola num dos proximos dias. Tentarei captar a alma, o sonho, a luz e o poema.
Se acontecer...eu conto.
Um abraço

maria augusta disse...

Amigo
Quanto tempo já passou sobre a promessa de falar da minha visita a Mértola? Que tenho eu para dizer?
Que os árabes já se foram mas me deixaram o desconforto de entrar na mesquita pela porta errada!
Que o propósito de trazer a obra "Mértola-Último Porto do Mediterrânio" esbarrou na intransponível barreira do custo da cultura em Portugal!
Havia alguma agitação mediática... azar! Ainda assim, entre duas lágrimas aconteceu isto:
No silêncio da alma se sente o
voo da águia que não se doma.
Assim foste tu
querendo ser o quê?
Lá no alto ela plana.
Não há respostas!

Um abraço