"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

sábado, dezembro 23, 2006

Saudades de Quem Fui


Em Dezembro de 1999, por esta altura, estava a preparar a passagem do milénio, que foi vivida em Tozeur, entre a residência Rosa (Warda) e as visitas às casas do senhor Nouri Slah e dos Omrani, cujo filho Najib (o do turbante, em pé, à esquerda, ao lado do pai, com gorro, morreria atropelado um mês depois). Tenho saudades deles, do seu afecto, da bela Semia (sentada à direita, com um bébé), do meu amigo Salem (o último em pé à direita) que conhece Portugal e fala a nossa língua.
Tenho saudades de quem fui...
Foto: Jorge Cabral

4 comentários:

Y. disse...

saudades do que ÉS.............Amigo.


doce.


diferente.


especial.



beijos.



e tudo de bom. mereces.

(piano)

Grilinha disse...

Não tenhas saudades de quem foste mas sim alegria pelo que foste.
Parabéns pelo que és.
Um santo Dia de Natal.

paula silva disse...

SAUDADES....
COMO EU TE ENTENDO MEU AMIGO!
Também tenho muitas vezes saudades do que já fui e já vivi... às vezes nem me reconheço e tenho dúvidas de quem sou ou de quem já fui!
Mas saudades mesmo - temos todos sempre de ti: tal como és, AMIGO, JUSTO, COMPANHEIRO, frontal, bem disposto e principalmente enérgico, interventivo, criador de sonhos e de Luz com Asas!
Um Beijão Amigo.

girassol disse...

Aqui, assim, Apeteço-te Felizes todos os dias, que não só estes em que todos transpiram a euforia que no resto do ano retraem dentro de si próprios.
É preciso construir os dias na Esperança de que a Luz faça o caminho para a Felicidade.

"jingã" em ti.

(hei-de voltar... têm sido tempos muuuuuuuuito atarefados, como deves calcular pelas mudanças anunciadas, mas tudo está indo ao lugar, voltando ao sossego...)