"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

segunda-feira, junho 11, 2012

Conhecem a Paula Charro?

Paula Charro é uma conceituada jornalista, que vive e trabalha em terras da Beira.
Toda a gente, no Fundão, a conhece e saúda, como se houvesse mesmo milagres e fosse possível convivermos com uma estrela, que tivesse descido dos céus e nos viesse visitar...

Em 1992, esta serena rapariga, entrevistou-me para a Rádio Cova da Beira. Acabava de apresentar o meu segundo livro, em Alpedrinha - Mais Perto da Terra, dedicado às gentes daquela vila da Beira Baixa.
Desde então, já lá vão vinte anos, quando nos cruzamos em eventos ou simplesmente numa das ruas da capital da cereja, o sorriso é inevitável.

Reencontrei-a, sábado passado, nas comemorações do Dia do Concelho e esta mulher, que tem divulgado em primeira mão as notícias mais pertinentes, para aquela região, entrevistando o povo anónimo, os responsáveis autárquicos e todos os que contribuem para a construção dos dias, esteve à conversa com alguns protagonistas do futuro, sempre com  uma pitada de humor e aquele amor à vida que respira no olhar. 

Portugal, o melhor desta terra são pessoas como a Paula, discretamente sábias, que servem a Comunidade, desvendando os casos que podem trazer orgulho ao nosso percurso.
Espero que o Paulo Fernandes, no próximo dia do Concelho, depois de homenagear o seu barbeiro, que há sessenta anos corta cabelos, ali mesmo junto à Câmara ou o Diamantino Gonçalves, fotógrafo que nos delicia e surpreende no Jornal do Fundão, faça a justiça de entregar também à Paula Charro a medalha que premeia o mérito, a qualidade, um percurso de boa marca, semeando luz.

A Paula é uma força da natureza, que mesmo quando a energia está menos luminosa, vence os obstáculos com a sua teimosia de escorpião. Também ela merece, como os poetas ou os pintores, como os músicos ou os provedores dos males da alma, uma palavra, um destaque, o aplauso dessa Comunidade, que ao longo de mais de duas décadas tem servido, informando, preenchendo horas de trabalho ou lazer, de estudo ou ansiedade.

Todavia, sei que, contra ventos e tempestades, a Paula vai continuar a sorrir, com medalha ou sem, pois a vida é mágica, para lá de alguns dissabores e haverá certamente quem espera dela todo o azul do céu, toda a poesia da terra, toda a ternura que a passarada sublinha e está nos olhos da mulher que ela é, depois de pousar o microfone.
E esse é o seu melhor directo. Que nos enriquece, pois é de futuro que falamos, quando falamos daqueles que florescem, ao lado das árvores e da terra, alindada pela água que escorre da serra.

A Paula é um poema.

Luís Filipe Maçarico, texto e fotografia.

4 comentários:

elvira carvalho disse...

Então Viva a Paula e parabéns ao Luis pela homenagem.
Um abraço

Céu Ramos disse...

Na vida cruzamo-nos com pessoas muito especiais. É maravilhoso quando acontece. O mundo, a vida fica muito mais suave para todos nós. Que bom para ti conheceres a Paula e a partilhares connosco.Bem hajam!

Céu Ramos disse...

Na vida cruzamo-nos com pessoas muito especiais. É maravilhoso quando acontece. O mundo, a vida fica muito mais suave para todos nós. Que bom para ti conheceres a Paula e a partilhares connosco.Bem hajam!

Céu Ramos disse...

Algumas vezes cruzamo-nos com pessoas muito especiais. Elas fazem com que o mundo e a vida fiquem mais suaves.O conhecimento que tens da Paula e o partilhares connosco essa mulher tão especial, foi para mim um bálsamo. Bem hajam!