"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

terça-feira, maio 24, 2011

Um Poema de Sidónio Muralha


AS CRIANÇAS E OS MONSTROS


A criança entrou numa casa de brinquedos e perguntou:
- Tem carícias para vender?
E o homem respondeu: - Essas coisas não temos,
mas vendemos revólveres, metralhadoras
e canhões para crianças subdesenvolvidas
e bombas atómicas
em miniatura
para meninos de fino trato
pagáveis em dez prestações
e com entrega mensal de um monstro
mais ou menos domesticado
ao cliente que tiver praticado o crime atómico
em miniatura
mais horrível do mundo.


Sidónio Muralha

(Poema recolhido no blogue http://cravodeabril.blogspot.com/2011/05/poema_16.html)

Foto de LFM

2 comentários:

zmsantos disse...

Estas lojas de "brinquedos" proliferam, cada vez mais. Autênticos "self-service" para miúdos e graúdos.
Abraço!

elvira carvalho disse...

Não conhecia o poema e fiquei sem palavras...
Um abraço e bom fim de semana