"Um Barco atracado ao cais é sempre um sonho preso"

terça-feira, setembro 19, 2006

Viva Alpedrinha!

CHEGADO AQUI, OU COMO ALPEDRINHA É NOVELO DE AFECTOS*

A primeira vez que visitei Alpedrinha, vim de comboio, esse mítico comboio da Beira Baixa, que ziguezagueia, perseguindo o Tejo, numa carruagem com compartimentos, que permitia abrir a janela e desfrutar de um convívio com pessoas da região, propiciado pela alegria da juventude, num tempo de mais esperança.
Foi de comboio que viajei algumas vezes com o pintor José Barata Moura e sua esposa Adriana Rodrigues. Ao lado daquele casal maravilhoso o tempo voava, falávamos de coisas empolgantes, enquanto em redor, os idosos se queixavam de tromboses, assaltos, idas a Lisboa aos hospitais, desfolhando maleitas, suspirando lamentos.
Foram centenas de viagens a emocionar-me com alvoradas e crepúsculos, repudiando incêndios que amputaram paisagens, inundações calamitosas, suportando chuvas e gelos implacáveis, sóis de lume…escrevendo poemas, projectos, artigos, descobrindo ou revisitando versos do poeta da Póvoa de Atalaia.

Devo ao Carlos Fatela e à Fernanda Neto a descoberta deste esplendor e ao Estáquio, ao Tomás, ao Atanásio, ao Manuel e outros, o regozijo de ter sido integrado num grupo de moços da minha idade, que, de casa em casa, nesse distante Dezembro de 1979 cantou as Janeiras, com viola e pandeireta e as vozes acesas que a bela jeropiga afinava.

Tive a sorte de encontrar ainda algumas tradições como o Santoro e o Madeiro, descritas por António Salvado Motta, na sua Monografia e por Jaime Lopes Dias na Etnografia da Beira. E a satisfação de conhecer o avô Barnabé, narrando fábulas para os bisnetos, de olhos arregalados, à volta da lareira. Escutei com gosto as explicações de Mestre Mário Brás na oficina Museu dos Embutidos, agora silenciosa. Assisti à Gota de Mel, de Leon Chancerel, dinamizada no antigo Cepa, pelo senhor Guerra. Deslumbrei-me com a sabedoria de Clara Nabais, com as canções que inventava, as lendas que compartia. Em sua casa experimentei sensações inesquecíveis, nomeadamente a comoção de encontrar em pleno século XX alguém que sendo contemporânea, possuía características de personagens de Júlio Dinis ou de Camilo Castelo Branco.

Foi na sua pensão que reencontrei Eugénio de Andrade. De quem ela costumava dizer que tinha andado em pequeno ao seu colo. A quem me obrigou a escrever, julgando que o autógrafo do autor de “Branco no Branco,”num exemplar comprado na Feira do Livro era sintoma de alguma proximidade.
Não esqueço as palavras que o poeta dirigiu a Fernando Paulouro Neves, que o entrevistava, quando abri a porta, a meio de uma tarde estival de frutos refrescantes que salpicavam a mesa da conversa: “Este rapaz também faz versos!”
Correspondemo-nos a partir de Alpedrinha. Quase até se despedir deste mundo, por onde passou de forma obstinada, despojado da ilusão temporal que embriaga os incautos. Era sábio. Assim o conheci desde estes lugares, que partilhou nos seus livros. Campos da Póvoa, que prolongam o Alentejo. Chão onde colheu a luz, a terra, a água, o ar, elementos essenciais da sua obra.

Acompanhei alguns amigos desta vila ao altar e ao sepulcro.
Na matriz, durante a Páscoa de 1989, a professora Monia transportou-me para o ambiente fantástico da Salzburgo de Wolfgang Amadeus Mozart, tangendo um órgão de tubos que é um dos tesouros de Alpedrinha. Na varanda da Casa do Barreiro saboreei o sublime hálito da tranquilidade, escutando as palavras encantadoras e avisadas de dona Francisca Cabral. E como esquecer as manhãs de segunda-feira a deliciar-me com uma canjinha dos deuses, no mercado do Fundão, num tascório que desapareceu ou com pataniscas no pão, acompanhadas por um tentador Alcambar, na baiuca da Estação?
Impossível limpar da memória a noite em que fui com um grupo de jovens, ajudar a apagar fogos. Não olvido o dia em que o chão da vila foi manto de cinzas…

À terra mágica trouxe gente de Leiria, do Alentejo, de Trás-os-Montes, de Lisboa. Da terra mágica partimos sempre mais enriquecidos.
Com a gastronomia apurada, a fruição de um património surpreendente, a tradição e o saber fazer singulares, evidenciados por amáveis bibliotecas vivas.
Com a informação da Liga dos Amigos, onde dirigentes diversos divulgaram textos de minha autoria, nomeadamente intervenções a favor das casas de granito, cuja beleza durante um certo período foi escondida pela alvenaria.
Com o usufruto de admiráveis realizações, que revelam a capacidade dos alpetrinienses, quando se unem em torno de projectos, como a inesquecível “A Talha” de Pirandello, no Teatro Clube, que revelou actores brilhantes ou o fascinante desafio que é a popular Festa dos Chocalhos, animando as ruas da estupenda Sintra da Beira.
Com a estima do amigo doutor João Costa - que me levou a Poitiers, através da Escola Profissional do Fundão - para apresentarmos a 2ª edição dos “Pastores do Sol”.
Com a sensibilidade do Eduardo Serra, que em 1989 revelou nas páginas da “folhinha” da Liga muitos dos escritos que configuram este meu décimo quinto livro de poesia.
Com o companheirismo do Francisco Roxo, homem diligente e solidário, que proporcionou a edição de “Vagabundo da Luz” e a consumação deste vosso amigo no cidadão honorário que acolhesteis, diante do Pelourinho, quando em Agosto de 1992, ao som do ditoso coro ficámos “Mais Perto da Terra”.
Com a fraternidade da Paula Silva e do Paulo Grilo, que trouxeram o recheio das gavetas e paredes que habito, para darem a conhecer às gentes da sua terra, a casa do poeta. Paula, prefaciadora de vários livros meus, nomeadamente em “A Celebração da Terra”, patrocinada por autarquias alentejanas e pela delegação regional de cultura e apresentada no Palácio D. Manuel II, em Évora, cidade onde nasci, com uma delegação de alpetrinienses presente.

Ninguém nasce sozinho; tenho consciência que a cadeira, onde me sento, já estava aquecida por grandes homens e mulheres, que viveram antes de mim. Por isso, vale a pena recordar o que aprendemos com Gedeão: “Venho da terra assombrada/do ventre de minha mãe/não pretendo roubar nada/nem fazer mal a ninguém/ Só quero o que me é devido/ por me trazerem aqui/ (…) Venho do fundo do tempo/não tenho tempo a perder (…) Quero eu e a natureza/ que a natureza sou eu/ e as forças da natureza/nunca ninguém as venceu/ Com licença com licença/ que a barca se fez ao mar/ não há poder que me vença/ mesmo morto hei-de passar” Lembro Raul de Carvalho: “Ajuda-me a cumprir a missão do poeta, / (…) Vem, serenidade, / e faz que não fiquemos doentes, só de ver/que a beleza não nasce dia a dia na terra.”

Tenho um percurso, um rosto, uma palavra de honra. E estou grato a Alpedrinha pelo que pudemos partilhar nestes quinze anos de publicações.
Quase todos os meus livros foram apresentados aqui, motivando o apoio voluntário e a simpatia de pessoas como a dona Manuela, a dona Lurdes, a dona Gracinha e de vários dirigentes da colectividade cultural.

Alpedrinha tem sido um novelo de surpresas, que incitou a voltar e me fez sentir em casa., quando visitei a quinta de dona Amélia, quando subi ao cabeço do senhor Mota, quando provei o doce caseiro, o pitéu ou a sopa de sabor antigo confeccionados pelas mãos sabedoras da Maria dos Anjos ou da Maria Luísa.
Contudo, ficaria incompleta esta partilha e até seria ingratidão se não contasse uma outra estória, digna de exaltar, pela generosidade e grandeza de carácter dos seus protagonistas.
Na passada feira da Transumância, um velho amigo, que me ensinou a cantar as Janeiras e outros saberes da terra, José António Atanásio, fez questão de me apresentar ao doutor Manuel Frexes. Confesso que me senti embaraçado, mas ele pegou-me por um braço e levou-me até à presença do autarca.
O senhor presidente da Câmara Municipal do Fundão, quando soube que tinha escrito sobre Alpedrinha, demonstrou um redobrado interesse em conhecer o meu trabalho poético.
Assistindo à conversa, o presidente da junta de freguesia sublinhou que havia um livro a aguardar melhor ocasião, num gabinete municipal, situação que o doutor Frexes desbloqueou, comprometendo-se a publicar a obra, fazendo fé nos testemunhos escutados.
No início da semana seguinte fui informado, a partir da autarquia fundanense, que o esboço do livro estava nas mãos do doutor Manuel Frexes, o que confesso muito me surpreendeu, pois tinha apostado no meu trabalho, sem me conhecer, confiando no que escutara da boca de um colaborador próximo e de um autarca..

Cumpre-me agradecer a aposta que facultou esta reunião. Bem Hajas pelo teu gesto, José António Atanásio! Bem Hajam senhores presidentes Frexes e Roxo, ambos com este xis no apelido, que me recorda o xi coração com que Bual assinava telas para os amigos. Artur Bual, o grande pintor gestualista, que me deu a honra de ter assistido aqui, há catorze anos, com António Salvado e Sampaio Lopes, ao lançamento do meu segundo livro de poesia, inteiramente escrito e dedicado à mágica Gardunha e editado com o meu salário de funcionário público, que fiz questão de oferecer à Liga dos Amigos de Alpedrinha.
Ainda tenho na memória a imagem de uma parte substancial da população, com crianças e jovens a presenciar e a comprar a pagela com os meus versos por um preço acessível.

Oxalá essa nova geração saiba continuar o labor dos que os antecederam para a terra continuar a ser lugar de referência, na Beira Baixa, conquistado pela excelência do património monumental e humano. Brecht escreveu que uma casa à beira de um lago, rodeada de árvores, ganha outra beleza se da sua chaminé sair fumo. Desejo que o calor e a sabedoria da hospitalidade alpetriniense não se evaporem na voragem dos tempos.

Entretanto, não posso esquecer que um dia, um rapaz me disse que a minha poesia o tinha salvo, pois decidira suicidar-se, mas que ao ver um cartaz a anunciar-me, quis saber o que era um poeta. A dedicatória que escrevi mexeu de tal modo com o seu espírito que desistiu dos pensamentos sombrios. Todavia, eu só me apercebi desta situação uns anos depois, quando num dos muitos Natais passados em Alpedrinha, o encontrei. Com uns copinhos a mais, abraçou-me, afirmando que eu era naquele momento a pessoa mais importante e estimada que ele conhecia, pois tinha-lhe salvo a sua vida.

É tempo de terminar, entregando palavras afectuosas de reconhecimento, ao senhor vereador da Cultura doutor Paulo Fernandes, que enquanto estudante me entrevistou para o “Jornal do Fundão”, iniciando-se aí uma fraterna e recíproca admiração, um agradecimento à Marta Barata, à Graça Nogueira e à Maria José Lascas Fernandes, pelo envolvimento com este sonho, finalmente realizado e um abraço fraterno para o doutor João Mendes Rosa, amigo consequente, investigador notável e rigoroso a quem devemos a beleza e as informações adicionais insertas na reedição da Monografia de Alpedrinha, nomeadamente a belíssima biografia de Salvado Motta.

Como no “Principezinho”, de Saint-Exupéry, cativaram-me, são responsáveis por esta festa! Bem Hajam a Todos!

Escrito no comboio da Beira Baixa e em Lisboa,
17 Agosto e Setembro de 2006

LUÍS FILIPE MAÇARICO
* Texto lido durante a apresentação na Capela do Leão, em Alpedrinha, do meu 15º livro de Poesia "AR SERRANO" editado pela Câmara Municipal do Fundão e inserido no V Festival das Rotas da Transumância.

6 comentários:

Pete disse...

Um bonito texto a homenagear todos os que directa ou indirectamente contribuiram para que nascesse essa obra, é de louvar. Tive pena de não poder ter estado aí e conhecer esse lugar, que a julgar pelas suas palavras e pelas fotos abaixo, deve ser magnífico.

Um Abraço e bom resto de semana.

Mané disse...

Estive, gostei imenso e releio antes de me ir deitar como um balsamo de saudades de voltar a estar ao pé de ti nesses momentos importantese doces, cheios de ondas positivas e fortificantes. Mais uma vez obrigado e ate breve.

paula silva disse...

Amigo Luis
Não estive, como sabes, fisicamente, neste lançamento, (por motivos que conheces) mas estive ali em espírito, torcendo pela magia sempre presente na apresentação dos teus livros, e não foram poucos aqueles a que já assisti!
Sei que a Capela foi pequena para tanto público, para tanto carinho... sei que estiveste mais de duas horas a escrever dedicatórias, como sempre acontece.
"Ar Serrano" está na minha banquinha de cabeceira e já o li de fio a pavio, para respirar a Gardunha e esses silêncios feitos voz nas tuas sílabas mágicas, aromáticas, sensíveis e doces.
Repito o que mais do que uma vez já te disse... mas insisto: os teus textos de apresentação dos livros merecem publicação própria, pela riqueza literária, pelo envolvimento e sentimento, pela verdade dos momentos, pela partilha com que nos brindas. Não será mais um projecto a merecer atenção?
Para ti, amigo do peito, um beijinho de ternura e um bem-hajas, pela tua generosidade, humildade e grandeza.
PCLS

paula silva disse...

E não posso deixar de dizer ainda: Alpedrinha só pode estar orgulhosa de ter um HOMEM como tu sempre entre nós. Não é só o poeta, mas o homem, o ser humano, o vagabundo da luz, o nosso melhor guia turístico... Quantos amigos já ligaste a Alpedrinha? A quantos lugares já levaste a nossa vila? Quantos sonhos já alimentaste? quantos caminhos pela Gardunha já redescobriste e deste a descobrir? Quantos sorrisos já partilhaste? Não falo só das palavras que escreves, mas das pegadas que vais deixando, aqui e ali, marcas vivas, gerações que acompanhaste, em qualquer estação do ano, em qualquer circunstância: como dizes, de casamentos a funerais...
Arrisco a dizer que és mais alpetriniense do que alguns nativos, porque sentes a Gardunha com um olhar largo, com um coração de lume, com uma humildade corajosa...
Bem-hajas por aceitares ser alpetriniense, sem reservas.
BJ

FOGO AR TERRA AGUA disse...

Luís
Após ler o belíssimo texto da apresentação do teu AR SERRANO e que já tinha escutado lido por ti, pensei: o Luís devia pensar em publicar estes textos introdutórios dos seus livros por serem tão bonitos. Quando tentei registar um comentário li o que a nossa Paulinha escreveu.... pensa nisso.
Aquele beijo doce do costume
::::: ANA :::::::::::

paula silva disse...

Eu escrevi dois comentários, mas parece que o segundo se evaporou. Não saberei reconstituir tudo o que escrevi mas vou tentar: Nas sessões de apresentção dos livros conhecemos o poeta, tal como nos livros, mas mais importante que isso é o HOMEM generoso, justo,amigo, sereno, tranquilo, sábio, que tenho o prazer de conhecer.
Amigos destes são tesouros, diamantes que os Alpetrinienses não podem deixar de reconhecer, fico feliz quando o Luis leva amigos à Vila Mágica, e já são centenas, fico feliz quando o Luis leva o nome de Alpedrinha por todo o país e pelo estrangeiro, pessoalmente ou em jornais, em revistas, em conversas...
Este cidadão do mundo é cidadão honorário de Alpedrinha e merece todo o respeito da parte de todos os alpetrinienses, até daqueles que nunca fizeram nada pela nossa terra, ou por inércia, ou por incapacidade, e a prova disso está na quantidade de gente que encheu a pequena capela, que não foi suficiente para receber todos os interessados num livro que respira gardunha, que enaltece as nossas gentes, em especial as mulheres, a sabedoria, as paisagens, os aromas e os momentos!
O Luis esteve no meu casamento em Alpedrinha, e orgulho-me disso.
O Luis também explode, também erra, como ser humano que é, mas acima de tudo é um AMIGO com quem se pode contar, queiram ou não é esta a realidade, vista pelos meus olhos e pelos olhos de centenas de amigos de Alpedrinha que nunca esquecerão o homem generoso, e vista por outras tantas centenas que o conhecem melhor ou pior, independentemente de Alpedrinha.